Direcionada para a sustentabilidade

Representantes do setor agropecuário, da agricultura familiar, do movimento socioambientalista e o governo têm defendido a agenda da sustentabilidade (CNA, 2010; Via Campesina et al., 2010; Presidência da República Federativa do Brasil, s.d.; SOS Florestas, s.d.). Essa visão compartilhada de equilíbrio entre o social, o econômico e o ambiental indica que, apesar das divergências atuais, há espaço para cooperação em torno de metas de longo prazo.

Foto: Paulo Barreto

Uma reforma do Código Florestal direcionada para a sustentabilidade e boa governança deve frear a perda de biodiversidade, a degradação do solo e de recursos hídricos, assim como as mudanças climáticas. Para isso, não deve estimular novos desmatamentos. Ao mesmo tempo, e com urgência, precisa garantir a  segurança jurídica no campo. Para isso, não pode  penalizar proprietários de áreas abertas que se  tornaram ilegais por mudanças na lei, mas precisa  garantir que essas áreas sejam recuperadas ou  compensadas. Precisa também desenvolver a economia no campo valorizando produtos florestais, aumentando a produtividade e  reduzindo a perda de alimentos na logística, além  de oferecer apoio aos pequenos proprietários para que consigam cumprir a lei. E, acima de tudo, a reforma precisa garantir que a lei seja cumprida, e  para isso precisa responsabilizar quem cometeu infração, fortalecer a fiscalização e criar  incentivos para que a lei seja respeitada.

<Voltar ao menu

> Ir para próxima página


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s